Pirarucu

O pirarucu é uma das espécies mais importantes para o crescimento da produção da aquicultura amazônica (Núñez-Rodríguez et al., 2018), registrando elevada conversão alimentar que possibilita o abate com aproximadamente 12 meses de criação. O pirarucu se destaca pelo rápido crescimento e é um dos maiores peixes de água doce do mundo, alcançando 1,70 m e 80 kg com 6 ou 7 anos de vida, mas com possibilidade de atingir 3 m e 200 kg. O peixe é capturado nos rios da Amazônia, impulsionando a cadeia de pesca extrativista. A criação desta espécie é uma rara oportunidade para harmonizar os objetivos de gestão sustentável de recursos e alívio da pobreza (Campos-Silva & Peres, 2016).

Além do consumo da carne comercializada fresca, congelada ou salgada, e da cabeça utilizada no preparo de pratos típicos regionais, seus subprodutos podem alcançar elevado valor, como o couro com potencial para abastecer a indústria da moda e compor acabamentos em veículos e aeronaves de luxo (Ferreira, 2016). A cadeia produtiva do pirarucu apresenta diversos desafios relacionados à cadeia do frio, transporte (Brandão et al., 2006) e reprodução em cativeiro (Núñez et al., 2009).

De acordo com a FAO (2015), os estudos mercadológicos realizados no Peru indicam ampla aceitação do pirarucu, além de mercados internacionais em que o produto recebe o status de pescado gourmet, com preços mais elevados. Na ausência de condições mercadológicas para o processamento e a distribuição, o produto torna-se condenado à comercialização no mercado local, concorrendo com o animal da natureza, capturado livremente com a pesca predatória.

A falta de capacidade produtiva é apontada como um importante fator para o baixo consumo de pescado per capita brasileiro (Ostrensky, Borghetti, & Soto, 2007), além da falta de frigoríficos como um fator restritivo de competitividade para o desenvolvimento da piscicultura. Por outro lado, há inúmeras oportunidades de geração de emprego e renda com os subprodutos do pirarucu, incluindo a produção de hidrolisados proteicos (Carvalho Paiva et al., 2015), farinha, melhorias tecnológicas para o beneficiamento do pescado para a produção de nuggets, hambúrgueres e pratos prontos, além de uma linha de produtos defumados (Ferreira, 2016).

  • Pesquisa de campo junho 2022
    Assista ao registro da visita de campo a Mamirauá realizada pela equipe do projeto, sob supervisão da professora Maria Sylvia Saes
  • Tambaqui pode virar commodity brasileira no mercado global de pescado
    O tambaqui vive em uma faixa de temperatura entre 25ºC e 34ºC, o que mantém a cultura praticamente restrita ao norte do Brasil.
  • Povos do Amazonas garantem renda ao preservar o pirarucu
    Leia a matéria completa no site da Folha de São Paulo Fabiano Maisonnave e Eduardo Anizelli do MÉDIO JURUÁ (AM)  reportam os acampados à beira do rio Xeruã, afluente do Juruá. Os denis se dividem e se multiplicam em diversas atividades antes de partir em busca do mítico pirarucu. A pesca do maior peixe de escamas de […]
  • A Teoria das Restrições aplicada a cadeia produtiva da piscicultura
    A falta de uma cadeia produtiva estruturada na piscicultura resulta em baixos rendimentos e limitada retenção de valor na Amazônia brasileira. Este estudo oferece diretrizes para o elaboração de políticas de desenvolvimento, entre as quais, a promoção de novos produtos e a sua certificação. O artigo “Understanding the Constraints on Success in Brazilian Amazon Production […]
  • DNA ambiental para identificação de espécies aquáticas
    O método desenvolvido com apoio da FAPESP e coordenado por Naércio Menezes, professor do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (MZ-USP) consiste em extrair as moléculas de DNA presentes em amostras de água para depois avaliar, por meio de marcadores genéticos, a quais espécies pertencem. Dessa forma é possível conhecer uma população sem necessidade de captura de nenhum exemplar.
  • Turismo de base comunitária em comunidades ribeirinhas
    Entrevista com Pedro Meloni, Pedro Meloni Nassar – Coordenador de Turismo de Base Comunitária do IDSM. Esta entrevista, realizada no ambito do Projeto Bioeconomia, aborda a pesca do Pirarucu na região de Mamirauá-AM. Pedro Nassar apresenta o processo de manejo, contagem, monitoramento, acordos de pesca além de descrever engajamento das comunidades e analisar a regulação […]
  • Pirarucu de manejo no sudeste
    Com o objetivo de estimular o imenso potencial do uso do Pirarucu de manejo proveniente das comunidades ribeirinhas da Amazônia, renomados chefs de cozinha que atual na cidade do Rio de Janeiros foram convidados a participar da primeira etapa do Projeto Gosto da Amazônia, com o propósito de criar receitas e analisar os resultados de diferentes […]
  • Piscicultura na Amazônia
    Entrevista com o engenheiro de pesca Ricardo Cesar trata das particularidades da atividade de pesca, aquicultura. Desafios da atividade produtiva e de comercialização de pescados na região amazônica.