Categorias
Conteúdos relacionados

38% da Amazônia sofre degradação motivada por ação humana

Luciana Constantino | Agência FAPESP – Além do aumento das taxas de desmatamento registrado na Amazônia desde 2018, a maior e mais biodiversa floresta tropical do mundo enfrenta outros processos de degradação provocados por humanos que ameaçam seu futuro.

Estudo publicado na edição de sexta-feira (27/01) da Science mostra que aproximadamente 38% da atual área da Amazônia sofre com algum tipo de degradação causada por quatro fatores. São eles: fogo, extração seletiva de madeira (em sua maioria ilegal), efeitos de borda (que são mudanças em regiões de floresta ao lado de zonas desmatadas) e secas extremas, cada vez mais frequentes em decorrência das mudanças climáticas.

Juntamente com outra revisão analítica, o artigo The drivers and impacts of Amazon forest degradation compõe o tema de destaque da capa desta edição da revista científica com o título Amazônia perdida – Degradação e destruição florestal (em tradução livre).

Segundo a pesquisa, as emissões de carbono resultantes dessa perda gradual de vegetação – entre 50 milhões de toneladas e 200 milhões de toneladas ao ano (0,05 a 0,2 petagrama de carbono, PgC) – são equivalentes ou até mesmo maiores do que as registradas por desmatamento – entre 60 milhões de toneladas e 210 milhões de toneladas/ano (0,06 a 0,21 PgC/ano).

Os cientistas definem como degradação as mudanças transitórias ou de longo prazo nas condições da floresta causadas por humanos, gerando perda gradual da vegetação. Essas áreas não têm as mesmas estruturas, resiliência e funções de uma floresta intacta. Já o desmatamento envolve alteração na cobertura do solo, com a troca da vegetação nativa por pastagem, por exemplo.

O trabalho também indica que a degradação florestal pode reduzir a evapotranspiração em até 34%, causando danos à biodiversidade e provocando impactos socioeconômicos para as comunidades locais, principalmente as tradicionais, como indígenas e ribeirinhos. A evapotranspiração é o processo que devolve água à atmosfera por meio da evaporação do líquido que está no solo mais a transpiração das plantas.

Temos uma vasta literatura sobre o funcionamento, causas e impactos do desmatamento, mas não relacionada à degradação, por isso nosso foco foi entender esse processo. E uma das conclusões do estudo foi que a degradação é, ao menos parcialmente, um processo independente do desmatamento”, explica à Agência FAPESP o ecólogo David Montenegro Lapola, do Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (Cepagri) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Um dos líderes do estudo ao lado de Patrícia Pinho, do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), Lapola recebe apoio da FAPESP por meio de dois projetos (15/02537-7 e 20/08940-6). Ambos assinam o artigo com outros 33 cientistas de instituições nacionais e internacionais, entre elas o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) e universidades americanas e europeias.

Os pesquisadores trabalharam com uma revisão analítica de dados científicos baseados em imagens de satélite e de informações colhidas em campo, já publicados anteriormente sobre mudanças na região amazônica, entre 2001 e 2018. O trabalho foi desenvolvido por meio do projeto Analysis, Integration and Modelling of the Earth System (Aimes), ligado à iniciativa internacional Future Earth, que reúne cientistas e pesquisadores voltados ao estudo da sustentabilidade.

De acordo com os resultados, 5,5% da Amazônia (que corresponde a 0,36 km2 x 106 km2) está sob alguma forma de degradação se analisados os dados existentes de extensão do fogo, efeitos de borda e extração de madeira entre 2001 e 2018. Adicionando os dados de secas extremas, a estimativa da área total degradada chega aos 38% (2,5 x 106 km2). Diferentes regiões da floresta podem ser atingidas por um ou mais fatores.

Pelos dados do Programa de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite (Prodes), do Inpe, a Amazônia perdeu 11.568 km² em área desmatada entre 1º de agosto de 2021 e 31 de julho do ano passado. É o segundo maior valor desde 2008 e o equivalente ao território da Jamaica. No período anterior – agosto de 2020 a julho de 2021 –, o desmate já havia atingido 13.038 km². Pará, Amazonas, Mato Grosso e Rondônia concentraram quase 90% do total.

Futuro

O grupo de cientistas do qual Lapola faz parte trabalhou com projeções para 2050 e apontou que os quatro fatores de degradação, aliados às mudanças climáticas, continuarão entre as principais causas de emissão de carbono, independentemente do crescimento ou cessão do desmatamento da floresta.

Por isso, sugerem que os esforços para conter o desmatamento devem ser aliados a políticas de combate à degradação. Propõem, por exemplo, a criação de um sistema de monitoramento integrado, com a ajuda de diferentes tipos de tecnologias e de sensores para coletar dados, além de prevenção e combate ao corte ilegal de madeira e do controle do uso do fogo.

Outro ponto destacado pelo grupo é o refinamento da estrutura de projetos de REDD+ – incentivo desenvolvido no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) para recompensar financeiramente países em desenvolvimento por seus resultados de redução de emissões de gases de efeito estufa provenientes do desmatamento e da degradação florestal.

“Coibir o uso do fogo, a exploração ilegal de madeira e mesmo o efeito de borda que é diretamente relacionado ao desmatamento são processos que o Brasil e os outros países amazônicos podem e devem tratar. É nossa responsabilidade. Entretanto, ao falar da degradação causada por secas extremas ligadas às mudanças climáticas globais, isso é uma responsabilidade para o mundo todo, em que todos os países têm de atuar para reduzir suas emissões. Do contrário, a floresta sofrerá degradação do mesmo jeito”, completa Lapola.

O artigo é assinado ainda pelos pesquisadores Liana Anderson, do Cemaden, Luiz Eduardo Oliveira e Cruz de Aragão, chefe da Divisão de Observação da Terra e Geoinformática (DIOTG), do Inpe, e Philip Fearnside, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), que recebem apoio da FAPESP (projetos 20/08916-8, 16/02018-2, 20/16457-3 e 20/15230-5).

Destaque

Liderada por James Albert, do Departamento de Biologia da University of Louisiana at Lafayette, a outra revisão analítica em destaque na capa da Science tem a participação de brasileiros, como o pesquisador Carlos Nobre e a botânica Lúcia Garcez Lohmann, do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP).

O grupo revisou os impulsionadores da mudança na Amazônia e mostrou que as alterações provocadas pelos humanos estão ocorrendo muito mais rapidamente do que as transformações ambientais naturais do passado. Lohmann também recebe apoio da FAPESP (12/50260-6 e 18/23899-2).

O artigo The drivers and impacts of Amazon forest degradation pode ser lido em: www.science.org/doi/10.1126/science.abp8622.
 

Categorias
Conteúdos relacionados

Bioeconomia Inclusiva na Amazônia: como orquestrar a economia da floresta em pé

Por José Augusto Lacerda Fernandes, Graziella Maria Comini e Juliana Rodrigues

A exploração e a expropriação de recursos naturais, trabalho e saberes dos povos da floresta tornaram a Amazônia um palco de contradições sociais, econômicas e políticas. A chave de sua proteção está em modelos de desenvolvimento que valorizem sua sociobiodiversidade e tenham como protagonistas as populações tradicionais. Somente uma orquestração robusta, envolvendo diferentes atores, poderá implementar uma economia da floresta em pé e escrever um novo capítulo na história da região.

Site da Stanford Social Innovation Review Brasil

Categorias
Conteúdos relacionados

A bioeconomia da Amazônia: Além do uso de produtos florestais

Em artigo publicado na revista International Society for Ecological Economics (ISEE), Bergamo, D., Zerbini, O., Pinho, P., & Moutinho, P. discutem a complexidade envolvendo o debate sobre a bioeconomia amazônica.

Para que as atuais e futuras iniciativas possam contribuir para a construção de um futuro verdadeiramente sustentável, faz-se necessário que se comprometam
com uma série de princípios orientadores.

Ao longo do artigo, quatro aspectos são apontados:

(i) desmatamento zero,
(ii) diversificação dos métodos de produção,
(iii) fortalecimento de práticas milenares amazônidas, e
(iv) repartição justa dos benefícios.

Categorias
Conteúdos relacionados Relatórios

Onde estamos e para onde vamos na implementação do código florestal

Num ano de instabilidades e fragilidades no Sistema Nacional do Cadastro Ambiental Rural (SICAR), em que não houve a devida atualização dos dados abertos ao público, a nova publicação do Climate Policy Initiative/Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (CPI/PUC-Rio) apresenta uma radiografia inédita sobre o Cadastro Ambiental Rural (CAR) e o Programa de Regularização Ambiental (PRA), a partir de dados coletados diretamente junto aos estados brasileiros.

A análise revela que o país tem um grande desafio pela frente. Foi iniciada a análise de apenas 12% dos cadastros do país e somente 2% foram concluídas. Entretanto, estratégias adotadas pelos estados que mais avançaram mostram que existem caminhos para acelerar a implementação da lei.

A publicação do CPI/PUC-Rio evidencia que o novo governo tem a oportunidade de mudar o cenário atual por meio da adoção de sete ações prioritárias. Essas medidas incluem a formulação de um plano nacional pactuado com os governos estaduais, o fortalecimento do SICAR e a adoção de estratégias para acelerar a análise de CARs, promover o cancelamento de cadastros irregulares e impulsionar a adesão ao PRA. Por fim, é essencial o alinhamento do Código Florestal com políticas de combate ao desmatamento e de apoio ao agronegócio.

Categorias
Cacau Conteúdos relacionados

Comunidades extrativistas de cacau no Amazonas

Neste vídeo, o pesquisador Lucas Xavier apresenta um relato de experiência imersiva, no âmbito do Projeto Bioeconomia, em duas regiões do Amazonas, Rio Madeira e Rio Juruá. 

Nesses locais as comunidades ribeirinhas são agroextrativistas de cacau. A pesquisa de campo, realizada entre os dias 03 e 14 de outubro de 2022, teve como propósito a coleta de dados na forma de entrevistas. O relato mostra a existência de abordagens diferenciadas de inserção na cadeia do cacau, com desafios singulares intra e extra cadeia de valor.

A visita contou com o apoio das: Fundação Amazônia Sustentável (FAS), Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Amazonas (SEMA), Associação dos Produtores Agroextrativistas da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Madeira (APRAMAD), SOS Amazônia, Comunidade do Novo Horizonte e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). 

Categorias
Conteúdos relacionados

Porque proteger as florestas e os polinizadores na Amazônia?

Abelhas e besouros são dois dos principais grupos de polinizadores para o açaí, a castanha-do-Brasil e babaçu. No artigo « Status and trends of pollination services in Amazon agroforestry systems » publicado na revista  Agriculture, Ecosystems and Environment os pesquisadores do Instituto Vale, da Universidade Federal de Goiás e da Universidade Federal do Pará mostram a importante contribuição dos polinizadores para a produção agrícola na floresta amazônica.

No entanto, uma perda crescente da floresta amazônica tem sido observada, e isso pode prejudicar os polinizadores e ter consequências prejudiciais na produção de alimentos em um futuro próximo.

Políticas públicas são urgentemente necessárias para estimular a produção agrícola em harmonia com as áreas naturais, combinando a proteção das florestas e dos polinizadores com a produção de alimentos

Categorias
Conteúdos relacionados

Capital e biodiversidade

O tema da biodiversidade é abordado neste documento recente publicado pelo Goldman Sachs.

Segundo o relatório, atualmente apenas 10% do investimento anual necessário para reverter a perda da natureza é realizado, sendo o financiamento predominantemente público.

O documento procura explorar oportunidades para o
investimento privado em modelos de negócios associados à biodiversidade.

Categorias
Conteúdos relacionados Seminários

Três referências para acompanhar o debate sobre biodiversidade e clima


1.    Alocução de António Guterres, Secretário-Geral das Nações Unidas, na abertura do debate geral da 77ª Sessão da Assembleia Geral da ONU 

(Nova Iorque, 20 a 26 de setembro de 2022). https://media.un.org/en/asset/k1p/k1p449fd95

2.    Bioeconomia na Amazônia: Análise Conceitual, Regulatória e Institucional 

Pesquisa sinaliza riscos e aponta para a necessidade de formulação de uma estratégia para a promoção da bioeconomia na Amazônia

3.    Compromissos de resgate atualizado da Agenda Socioambiental Brasileira Perdida de Marina Silva

Categorias
Conteúdos relacionados

A restauração de ecossistemas beneficia as pessoas e o planeta

Estudo publicado British Ecological Society’s Journal People and Nature mostra o potencial de gerar até 2,5 milhões de empregos diretamente por meio da cadeia de suprimentos de restauração de ecossistemas, se o Brasil cumprir sua meta de restaurar 12 milhões de hectares de terras degradadas até 2030. Coordenado pelos pesquisadores Pedro Brancalion, professor da Universidade de São Paulo (ESALQ-USP) e Rafael Chaves, este estudo mostra que a restauração florestal ativa no Brasil tem potencial de geração de 0,42 empregos por hectare. Isso significa que a cada 2 hectares de terras degradadas (equivalente a dois campos de futebol) restaurados, será gerado um novo emprego.

Versão integral do artigo em Brazil’s ecosystem restoration benefits both people and planet – British Ecological Society

Categorias
Conteúdos relacionados

A conservação da biodiversidade deve ser uma preocupação de toda a sociedade

André Julião | Agência FAPESP – A conservação da biodiversidade deve ser uma preocupação para toda a sociedade, pois está intimamente ligada à erradicação da pobreza e da fome, à saúde e ao bem-estar da população, à redução da desigualdade, ao consumo e à produção responsáveis e a outros Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), conjunto de metas estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU) para serem cumpridas até 2030.

Essa foi uma das conclusões do webinário “Biodiversidade Terrestre e Marinha: conservação, uso e desenvolvimento sustentável” organizado pela Academia de Ciências do Estado de São Paulo (Aciesp) e pela FAPESP com o objetivo de apresentar e discutir o terceiro capítulo do livro FAPESP 60 Anos: A ciência no desenvolvimento nacional.

“Os ODS de biodiversidade [o 14º, vida na água, e o 15º, vida na terra] estão fortemente associados com a redução da pobreza. Além da biodiversidade poder ser um alimento direto, que envolve com a ODS 2, que é acabar com a fome, na biodiversidade temos capacidade de geração de empregos”, disse Carlos Joly, professor do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (IB-Unicamp) e um dos coordenadores do Programa BIOTA-FAPESP.

O pesquisador citou estudo recente em que pesquisadores brasileiros estimam que o Brasil poderia gerar 2,5 milhões de empregos se atendesse à meta, estabelecida no Acordo de Paris, de restaurar 12 milhões de hectares até 2030. “E não são empregos que exigem qualificação. É o tipo de emprego que o Brasil precisaria nesse momento”, afirmou Joly.

Além disso, segundo o pesquisador a biodiversidade está relacionada com as cidades e com a geração de água, que depende da manutenção da vegetação nativa.

Para Vanderlan Bolzani, professora do Instituto de Química de Araraquara da Universidade Estadual Paulista (IQAr-Unesp) e presidente da Aciesp, em momentos turbulentos da história, a ciência e o conhecimento contribuíram para a mudança.

“Estamos atravessando um momento muito difícil da vida humana […], mas no pós-guerra éramos um país agrícola e hoje, apesar das diferenças regionais, temos um país que nos orgulha, mesmo com os retrocessos que estamos vivenciando nesse momento”, disse Bolzani, durante a abertura do evento.

A biodiversidade brasileira, a maior do mundo, pode ser um dos motivos de orgulho, ela disse. Aqui vivem 11% de todas as espécies de plantas vasculares (musgos, samambaias e plantas com sementes), 11,3% dos mamíferos, 17,2% das aves, 23,2% dos peixes de água doce, com grandes extensões de bioma ainda não estudados por cientistas, portanto com imenso potencial para a descoberta de novas espécies e substâncias químicas.

“Quando imaginamos que biodiversidade é a maior biblioteca química jamais concebida por qualquer humano, é porque nela encontramos os modelos moleculares mais inusitados, impossíveis de serem sintetizados por qualquer um dos vencedores do Nobel de Química”, comentou a pesquisadora.

Oceanos

Para Alexander Turra, professor do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (USP), os oceanos são mais do que os organismos que neles vivem, mas um grande bioma com vários ecossistemas e hábitats e pode ser um agente de transformação da sociedade em função do seu papel e das conexões que dele dependem.

Segundo o pesquisador, o Brasil não tem sido bem-sucedido na fiscalização da atividade pesqueira, citando o exemplo da pesca de arrasto. “Temos formas de aumentar a produção de alimentos sem necessariamente ter conflitos. Com isso, precisamos pensar como o formato dessa atividade econômica pode combater fome e pobreza e beneficiar comunidades de forma abrangente. E isso vai de encontro ao item saúde e bem-estar da agenda 2030”, sublinhou.

A ameaça da poluição nos oceanos à biodiversidade foi tema de Lucas Buruaem Moreira, professor visitante do Instituto do Mar da Universidade Federal de São Paulo (IMar-Unifesp), e a biodiversidade amazônica foi tratada pela pesquisadora Vera Maria Fonseca de Almeida e Val, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).

O webinário teve ainda participação de Marie-Anne Van Sluys, professora do Instituto de Biociências da USP e membro da coordenação adjunta de Programas Especiais e Colaborações em Pesquisa da FAPESP, e de Adriano Andricopulo, professor do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP e diretor-executivo da Aciesp.

O webinário pode ser visto na íntegra em: https://youtu.be/XBGta5JpJlw.

O terceiro capítulo do livro FAPESP 60 anos: A ciência no desenvolvimento nacional está disponível em: https://fapesp.br/eventos/2022/aciesp_cap3.pdf.

Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.