Açaí

O açaí tem grande relevância na alimentação dos amazonenses, que consomem o equivalente a 10 litros da fruta/ano/pessoa, segundo o IDAM (2019), que também destaca que o fruto é o segundo produto mais importante da agricultura amazonense, depois da mandioca. Além da região Norte, que é a principal consumidora da superfruta, os estados do sul e sudeste do Brasil também são fortes consumidores. O processamento do açaí é realizado por estabelecimentos industriais, na sua maioria, de pequeno porte. O açaí produzido no Amazonas tem desafios para expandir sua produção, principalmente nas questões relacionadas ao acesso à água e a energia elétrica em diversas comunidades produtoras. Outro desafio é a logística de escoamento do produto, uma vez que as comunidades extrativistas são dependentes do transporte fluvial para trafegar o produto final que é altamente perecível (FAS, 2019a). A forma mais comum de comercialização do açaí de origem extrativista é em latas de 18 litros, com peso aproximado de 14 kg. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Serra, 2019, 29 de abril), a produção amazonense é exportada para quase todos os estados brasileiros e para países da Europa como França e Suíça. O alto consumo no estado do Amazonas tem impulsionado empresários a investir no setor para atender a demanda local e também abastecer supermercados e restaurantes de outros estados. Apesar do volume exportado de açaí ainda ser incipiente se comparado com as commodities agrícolas, observa-se que tanto o mercado nacional, quanto o internacional são promissores para o produto, que segue trajetória crescente nos últimos anos (Oliveira, Neto, Mochiutti, Mattietto, & Carvalho, 2017). Dados do IBGE (2018) indicam que a comercialização do açaí movimentou R$ 5,5 bilhões em 2017, sendo R$ 1,5 bilhão somente no Amazonas. Além do mercado alimentício, as propriedades antioxidantes do açaí elevam seu potencial nos mercados de cosméticos e farmacêuticos. Segundo Pires, Grisoto e Grisoto (2017), até 2040 as matérias primas naturais estarão em mais de 90% das formulações da indústria cosmética. O crescimento do mercado de açaí é promissor e o Estado do Amazonas desperta-se com potencial para apoiar o crescimento deste mercado, além de expandir a profissionalização dos produtores e dos microempresários, além da manutenção de emprego e renda dos agricultores familiares do Estado. Adicionalmente, o açaí faz parte da alimentação do amazônida e, assim, a sua expansão é fator relevante na segurança alimentar de populações tradicionais e indígenas da região Norte. A mudança no sistema produtivo depende do desenvolvimento de tecnologias para lidar com a questão da sazonalidade e da entressafra. O desenvolvimento de tecnologias para a irrigação se destaca como necessária para o crescimento da produção do açaí no Amazonas.

  • Demanda global por açaí recomenda estudo de impactos na Amazônia
    Podemos comprometer a biodiversidade para atender a demanda do mercado? Na Amazônia, a política pública deveria orientar estratégias locais com base em boas práticas de manejo.  Este artigo evidencia os impactos ambientais da monocultura do açai, produto da sociobiodiversidade na Amazônia
  • A cadeia produtiva do açaí em tempos recentes
    Nesse artigo, os autores atualizam a situação da cadeia produtiva do açaí, que é um fruto amazônico amplamente produzido e apreciado na alimentação das populações regionais e, a partir dos anos 2000, vem assumindo uma liderança nas preferências dos consumidores tanto local como inter-regional e mundial, daí sua importância econômica e nutricional nos últimos 20 […]
  • Nova agroindústria atua em rios da Amazônia e leva mais renda para comerciantes de açaí
    Por Walace de Jesus | Jornal da USP – Uma agroindústria flutuante foi inaugurada na Amazônia no último mês de maio. A Balsa-Açaí, como ficou conhecida, é uma indústria idealizada para processar frutas em comunidades mais distantes de Manaus, mas especialmente o açaí. O empreendimento é movido a luz solar e percorrerá os rios Amazonas, Solimões, […]
  • Padrões de sustentabilidade nas cadeias de valor
    O Instituto Terroá e parceiros, no âmbito do Projeto Mercados Verdes e Consumo Sustentável, cooperação entre o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ), publicaram dois estudos sobre Padrões de Sustentabilidade, um sobre a cadeia de valor do açaí e outro sobre a cadeia de valor da castanha-do-brasil. Acesse os […]
  • Conhecimento tracidional sobre usos do açaí
    Esse artigo, escrito com colaboração de pesquisadores da UFAM e do INPA, trata de um levantamento sobre usos tradicionais em três diferentes comunidades na reserva Piagaçi-Purus no estado do Amazonas. O texto refere-se à imensa complexidade das intereações entre ambiente e sociedade e sobre a importância de recuperar esse conhecimento na investigação dos aspectos socioculturais […]
  • Trabalho seguro e açaí
    O Instituto Peabiru produziu uma série de documentários em vídeos curtos, com entrevistas e visitas a projetos relacionados com as cadeias de valor da floresta, sob a perspectiva da agricultura familiar. Saiba mais no site do Instituto Peabiru.
  • Cooperativa Mista de Tomé-Açu
    O cacau agroflorestal de Tomé-Açu no Pará representa o único produto do Estado com selo de Indicação Geográfica (IG) desenvolvido com o propósito de diferenciar o produto através da valorização da cultura, biodiversidade e economia da região. Para mais informações consulte a página institucional da IG cacau Tomé-Açu Fundada em 1949, a Cooperativa mista de Tomé-Açu no Pará, […]